A frase título foi dita pela viúva do professor- doutor que fazia pós-doutorado em matemática, nos Estados Unidos. Ele foi morto por um franco atirador, no prédio de uma organização de atendimento a imigrantes.

 

 

        Creio que o número de chacinas, como a ocorrida, nunca foi contabilizada. Elas têm ocorrido mundo afora, mas, sem dúvida os Estados Unidos lideram as grandes tragédias perpetradas.

 

        Será que a causa é apenas a venda indiscriminada de armas ou o problema localiza-se em outra esfera? Será que os norte-americanos lideram o índice mundial de psicopatas?

 

 

        O Oriente (especificamente China e Japão) pressiona fortemente suas crianças para que elas se superem escolarmente. É exigido delas que tenham o melhor desempenho escolar que possam alcançar e, em conseqüência é alto o número de suicídios entre adolescentes. Isto já li com freqüência. Contudo, se a pressão é tão insuportável porque tais países não produzem psicopatas, como os destes atiradores do Ocidente?

       

 

        Serão os Estados Unidos um país com tantos drogados que possa vir a explicar a quantidade de chacinas? Ou, que traumas tão terríveis carregam os atiradores norte-americanos?

 

       

        Tivemos no Brasil o caso de um rapaz que saiu atirando numa sessão de cinema, mas este nem ao menos se suicidou. Deve pertencer a outro grupo de psicopatas.

 

       

        Estará certa a viúva do matemático em culpar a indiscriminada permissão para comprar armas existente no país onde seu marido foi brutalmente assassinado?

 

        Gostaria de ter acesso a estudos que explicassem tais chacinas.

 

Anúncios